Bem vindo ao Anti-Religiosidade!

Combatendo heresias e compartilhado o amor e unidade do Evangelho,

sem estruturas, hierarquias ou complicações.



A luta começou desde que a igreja deixou de ser igreja.
E isso faz tempo…
A igreja que era responsável por anunciar a graça, o convite de Deus à salvação, resolveu estabelecer suas metas de divisão para manter-se como instituição.
O convite era simples: “Tome conhecimento do quanto Deus o ama e entenda que as “portas” estão abertas para você!”
Simples e bem de acordo com a incapacidade e falibilidade humana.

Mas a gente não entendeu bem as palavras de Paulo em seu cuidado com a igreja e fez toda esta balburdia institucionalizada; toda esta separação absurda que faz com que a salvação seja um monopólio e não uma dádiva que também (desculpe-me lembra-lo), não cabe a nós administrarmos.
O trabalho é sim, do Espirito santo e só.  Sua função é “pescar” – se é que você é um pescador e não um “tripulante” de mais um “cruzeiro evangélico”, ou de qualquer outra denominação que por conta de tanta celebração, deixou Jesus no “porão” para que não houvessem interrupções que lembrassem o que era igreja ou o que era pescar homens.
Talvez você, diante dos hospedes do navio (aqueles que, quer você queira ou não, tem entrada gratuita garantida para pelo menos, tentarem “crescer” ao seu lado e que, na maioria das vezes não percebem que Jesus está preso no porão), talvez, nesse barco do amor fingido e interessado você  não os queira por perto “atrapalhando” as metas de seu reino (falo do seu reino, não do Reino de Deus), “travando” a sua “vida abundante” de dinheiro e poder, ou simplesmente, atrapalhando o seu cenário “perfeito” com suas imperfeições.
Talvez você se comporte como aqueles fariseus que, vez por outra, estavam fazendo o mesmo que você ou sua igreja fazem.
Eu me lembro de Jesus ter dito a eles quando foi interrompido porque estava comendo com pecadores e gente de má fama:  ”… Os que tem saúde não precisam de médicos, mas sim os doentes. Eu vim para chamar os pecadores e não os bons”
Não se lembra de ter lido isso em algum lugar??  Se não lembra, eu o ajudo: Está no livro de Marcos no capitulo 2, verso 17.

Desculpe-me se pareço por demais, “duro” com o meio chamado “Cristão”…  É que o mundo em suas dores, com a falta do convite à mesa  - o convite que você insiste em não entregar – , tem sofrido muito mais que você quando se sente ofendido…
Vale lembrar, que você até convida o “pecador” para ir à sua igreja, mas convenhamos: Mesa é bem diferente de “plateia”.

Cá entre nós… Conta pra mim:
Você tem é ódio do mundo??  Quer mais, é que o pecador tenha como fim, o inferno porque ele não simpatiza muito com você??
Ou seu discurso de ódio é somente porque você não se julga mais pecador??
Pode até parecer brincadeira, mas eu gostaria de ouvir o que você, cristão, tem a dizer sobre isso.

Eu sei, eu sei… Você vai me dizer que ama ao pecador… Ama mesmo?
Desculpe-me mais uma vez, mas você não ama, não…  Amor é outra coisa.
Não sou eu que o julga, mas sim, o mundo que o cobra…E com muitas e muitas razões.
Discorda?  Pergunte a Jesus.  Isto é… Se ele não estiver preso no porão de seu navio…

O fruto de tais “pescadores” tem sido este. Não merecem ser chamados de “Pescadores de homens”.
Além de “pescarem” apenas para abastecerem a seus barcos, tendem a se tornar “peixeiros”. Querem eles mesmos, “limpar” o homem, tentando fazer o que somente o Espirito de Deus pode fazer…  E Ele não precisa da sua ajuda.
Sua tarefa era entregar o convite; “pescar”.

Promovido, de pecador a pescador, você só ganhou a letra “S” e nada mais. Continua pecador, dependente da mesma graça que, em suas atitudes, parece julgar só sua.
A nova letra em sua alcunha deveria lembrar SABEDORIA e não “SUJEIRA” como infelizmente tem sido.
O mundo… Quem diria?!  O mundo,  está lembrando a você que você, é tão carente da graça de Deus quanto ele.

É triste que seja desta forma, mas…
Se você não tem ouvido a Deus…
Pelo menos ouça às dores do Mundo.


Rogério Ribeiro.